Certa vez Tarantino disse “Quando as pessoas me perguntam, se eu fui à faculdade de cinema eu respondo, não, eu fui ao cinema!”, e de certa maneira o cinema é uma grande escola sobre cinema. Muitos bons diretores já se inspiram em algum outro filme ou outro grande diretor.

A principio o cinema não tem segredos, apenas formulas básicas que fazem um filme funcionar bem, um exemplo bem simples é um Contra-Plongée para fazer o ator parecer maior do que ele é, então percebemos que bons diretores usam de variados recursos de linguagem visual para criar cenas incríveis. Mas outros bons diretores também se inspiram ou melhor transpiram tudo aquilo que já vivenciaram e assistiram.

Recentemente ao assistir o filme Janela Indiscreta (1954) de Alfred Hitchcock pude perceber em uma determinada cena, uma semelhança com outra cena, de outro filme do qual gosto muito, Onde os Fracos não tem vez (2007) dos irmãos Coen.

Em Janela Indiscreta Jeff (James Stewart) é um fotografo que está com a perna quebrada, como não tem o que fazer observa a vida de seus vizinhos, até desconfiar que um de seus vizinhos tenha cometido um assassinato.

Já em Onde os Fracos não tem vez Llewelyn Moss (Josh Brolin) encontra uma maleta cheia de dinheiro, onde o acaba sendo perseguido por isso.

Em cada um dos filmes há uma cena com muitas semelhanças, no filme de Hitchcock Jeff é confrontado pela primeira vez com o vilão do filme Lars Thorwald (Raymond Burr), e no filme dos irmãos Coen, Moss também tem seu primeiro encontro com o vilão, Anton Chigurh (Javier Bardem).

Nos dois casos a confrontação acontece em um quarto, onde apenas ouvimos os passos do vilão se aproximando pelo lado de fora, os protagonistas pegam suas armas, o vilão  apaga a luz e invade o quarto.

No inicio ambos percebem que estão em perigo, Jeff olha pela janela e percebe que Lars foi atrás dele.

01.fw

Moss descobre o rastreador no dinheiro, e percebe que Chigurh está muito próximo.

01a.fw

Ouvimos os passos dos vilões se aproximando, Jeff e Moss olham para a porta de onde vem o som.

02.fw

02a.fw

O som dos passos aumenta, mostrando que o perigo está próximo. A escuridão é um elemento usado nas duas cenas onde aumenta a sensação de terror, e o feixe de luz por baixo da porta, como se fosse um timer, quando ele se apaga o perigo está ali.

03.fw

03a.fw

Jeff vai até o telefone, mas acaba por desistir da ligação, ele sabe que a ajuda não virá a tempo.

04.fw

Diferentemente de Jeff, Moss usa o telefone, liga para a recepção do hotel, mas é em vão, o atendente já está morto.

04a.fw

Jeff mesmo com a perna quebrada tenta levantar da cadeira de rodas e se aproximar da porta.

05.fw

Já Moss obviamente se aproxima da porta, mas vemos que os dois personagens tem a mesma ação, eles ficam curiosos por um instante, algo do instinto humano.

05a.fw

Aqui a porta surge em detalhe, e a luz se apaga,  o tempo se esgotou.

06.fw

Chigurh surge, segue adiante e só então apaga a luz.

06a.fw

Quando a luz se apaga, Jeff pega sua arma, ele é um fotógrafo e única coisa que ele tem para se defender é um flash.

07.fw

Esta cena acontece antes da luz do lado de fora se apagar, onde Moss pega sua arma e deixa ela engatilhada, pronto para uso.

07a.fw

Jeff usa o flash várias vezes.

08.fw

Moss atira apenas uma vez.

08a.fw

As cenas terminam na Janela do quarto e ambos acabam feridos.

09.fw

09a.fw

Confira agora as cenas por completo:

Janela Indiscreta PT – 01/02:

Janela Indiscreta PT – 02/02:

Onde Os Fracos Não Tem Vez:

A cena dirigida por Hitchcock certamente é um dos momentos mais tensos do filme Janela Indiscreta pois é o primeiro momento em que o protagonista e nós espectadores ficamos próximos de Lars, é extremamente bem feita e vai desde a fotografia obscura, os planos bem estruturados, ao som diegético, tudo é feito magistralmente por Hitchcock. Os irmãos Coen também excelentes diretores, fazem o mesmo em Onde Os Fracos Não Tem Vez, trabalham todos os detalhes, obviamente com suas diferenças.

Ambos os filmes apesar de serem de épocas e terem enredos diferentes, contam a história de homens que se meteram onde não devia, e a cena mostra o quanto bons diretores de certa foram estão ligados, e assim é perceptível que o cinema não só inspira, mas como também é uma grande sala de aula.

Leave a comment